Parque Saint-Hilaire participa da 2ª Festa da Juçara

Palestrantes da mesa redonda “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara” - Foto: Rodrigo F. Torres

Palestrantes da mesa redonda “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara” – Foto: Rodrigo F. Torres

O Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange (PNSHL-ICMBio), representado pelo analista ambiental José Otávio Cardoso Consoni, participou hoje da Mesa Redonda: “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara”, dentro da programação da Festa da Juçara, em Matinhos.

Esta é a segunda edição do evento, que está acontecendo nas dependências da UFPR Litoral, de hoje até domingo (dia 5 de maio). O objetivo da Festa é difundir o uso do fruto da palmeira juçara como uma alternativa sustentável de utilização dessa palmeira, que sofre com o corte ilegal no litoral do Paraná para extração do palmito.

Na sua apresentação, Consoni expôs a situação atual da legislação que regula o uso do palmito e dos frutos da juçara. O pesquisador da Embrapa e Conselheiro do PNSHL, Carlos Eduardo Seoane, falou sobre como o aumento da fragmentação dos remanescentes da floresta atlântica acarreta na diminuição do número de plântulas de juçara e da sua qualidade genética, propondo a “juçara agroecológica” como um modelo sustentável de cultivo. Já o Sr. Gabriel, presidente da Associação de Pequenos Produtores Rurais e Artesanais de Antonina (ASPRAN), da Comunidade Cachoeira, relatou o histórico da produção da polpa de juçara pela Associação, contou como anda sua comercialização atualmente e sobre a grande procura que o produto vem tendo, especialmente por compradores da capital.

Ao longo do evento, creme de polpa da juçara foi servida aos participantes - Foto: Rodrigo F. Torres

Ao longo do evento, creme de polpa da juçara foi servida aos participantes – Foto: Rodrigo F. Torres

Francisco Paulo Chaimsohn, agrônomo do IAPAR, argumentou sobre o grande potencial da polpa dos frutos da juçara e suas propriedades nutricionais, afirmando que os produtores do litoral deveriam se apropriar da técnica de produção e aproveitar a grande facilidade de escoamento que existe na região – quando comparado com a situação que existe no estado do Pará, um grande produtor de polpa de açaí.

A mesa redonda foi uma grande oportunidade não só para a difusão de informações atualizadas, mas para discussões e reflexões sobre novos rumos em direção a uma cultura de uso mais sustentável da palmeira juçara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: