Governo abre consulta pública sobre o Programa Nacional da Juventude e Meio Ambiente

O Governo Federal quer ouvir a população sobre as ações que podem integrar o Programa Nacional da Juventude e Meio Ambiente. A consulta pública vai até o dia 10 de junho. O programa pretende elaborar, discutir e fortalecer ações da juventude, com o objetivo de garantir os direitos dos jovens brasileiros e as condições para enfrentar os desafios socioambientais.
A proposta é convocar a juventude brasileira para discutir a construção de sociedades mais justas, solidárias e sustentáveis. “Desta forma, garantimos espaços para a participação e o controle social dos jovens na formulação, implementação e avaliação de políticas públicas para a sustentabilidade”, destaca o diretor de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do MMA, Geraldo Vitor de Abreu. O programa avalia que existe necessidade de democratizar e potencializar o acesso e a ação da juventude em espaços de construção e monitoramento das políticas de meio ambiente. Além disso, os jovens desse novo século compartilham uma experiência geracional historicamente inédita, e boa parte da mudança socioambiental que irá garantir a vida das gerações futuras depende de mudanças
de atitudes da juventude.
O programa está estruturado em quatro linhas de ação: educação ambiental, formação e produção do conhecimento; trabalho decente e sustentável para a juventude; direito da juventude ao território; e participação social da juventude nas políticas públicas para a sustentabilidade. Para discussão de cada tema, estão programadas quatro webconferências com transmissão em http://portal.mec.gov.br/transmissao/?secao=ambiental. A primeira delas, referente ao Eixo 1, já aconteceu na última sexta-feira e a segunda, referente ao Eixo 2, foi realizada na segunda-feira passada. As próximas serão no dia 10 de junho: a do Eixo 3, das 10h às 12h, e a do Eixo 4, das 15h às 17h.

Estruturação

A criação do Programa Nacional da Juventude e Meio Ambiente é antiga demanda dos jovens. A consulta pública é resultado da atuação do Grupo de Trabalho Interministerial de Juventude e Meio Ambiente, coordenado pela Secretaria Nacional da Juventude, em parceria com os ministérios do Meio Ambiente e da Educação. Instituído em 2012, a missão do GTI é propor diretrizes para a criação da Política e do Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente,
além de analisar as políticas relacionadas ao tema que atualmente são desenvolvidas pelos governos.
Para Alex Bernal, analista do Departamento de Educação Ambiental do MMA e integrante do GTI, a juventude tem papel fundamental na transformação dos modelos socioambientais atuais. “Mas, para isso, é preciso fortalecer as políticas públicas de educação ambiental e de fomento das práticas de base agroecológica e garantir trabalho decente para a juventude. Assegurar o direito da juventude ao território é um dos desafios para o qual o programa pretende contribuir, com vistas à superação das desigualdades sociais e ambientais”, afirma Alex. No Brasil, segundo o Censo de 2010, havia mais de 51 milhões de jovens entre 15 a 29 anos, representando um quarto da população.
O documento para consulta pode ser acessado em http://consultajuventudemeioambiente.wordpress.com. Para tirar dúvidas: juventude.meioambiente@presidencia.gov.br.

Fonte: Informativo ICMBio em Foco

Anúncios

Conselho Consultivo comemora os 12 anos do PNSHL com dia de palestras

A pauta da reunião privilegiou a apresentação de trabalhos que estão sendo desenvolvidos nas comunidades do entorno do Parque Nacional

A pauta da reunião privilegiou a apresentação de trabalhos que estão sendo desenvolvidos nas comunidades do entorno do Parque Nacional

Realizada na última quinta feira, 23 de maio, a 14ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo do Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange teve uma pauta especial em comemoração aos 12 anos de criação da Unidade de Conservação. Os assuntos relativos ao funcionamento do Conselho e à gestão do Parque  foram concentrados no início, tomando apenas 90 minutos dos trabalhos. A partir das onze horas foram realizadas palestras sobre temas de interesse do colegiado, seguindo as indicações do Plano de Ação do Conselho para o biênio 2012-2013. As apresentações foram realizadas pelos membros do Conselho ou por convidados por eles indicados e trataram, principalmente, de trabalhos que estão sendo realizados no entorno do Parque e novas propostas para beneficiar a região.

O Gerente Regional da EMATER, Marcos de Oliveira foi o primeiro a falar e apresentou o Programa de Gestão de Águas, Solos e Biodiversidade em Microbacias Hidrográficas, destacando as microbacias litorâneas que serão alvo do programa. Em seguida, Leoclides Lazzarotto, um dos representantes da EMATER no Conselho Consultivo, explicou sobre as atividades e propostas do Plano de Ação da Microbacia Rio das Pombas, que abrange o PNSHL e as comunidades Quintilha, Colônia Maria Luiza e Colônia Pereira. O programa é dirigido aos agricultores familiares da região e tem o objetivo de melhorar a quantidade e qualidade da água no manancial do rio das Pombas, um dos principais do litoral paranaense. Finalizando os trabalhos da manhã, o engenheiro agrimensor da Prefeitura de Paranaguá, Sr. Luiz Affonso da Silveira, apresentou brevemente alguns aspectos legais sobre regularização fundiária urbana e rural.

No período da tarde, os trabalhos foram iniciados com a palestra sobre sistemas de cultivo agroflorestais intitulada Transição Agroecológica para o Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, feita pelo Conselheiro Carlos Eduardo Seoane, representante da EMBRAPA-Florestas. Em seguida, a conselheira Juliana Melchiori, representante da Cooperativa Motirõ, apresentou o trabalho que vem sendo desenvolvido com moradores do entorno do PNSHL na região da rodovia PR-508 e que visa o fortalecimento da agroindústria de base familiar na região: o Projeto SAL – Sistema Agroalimentar Localizado. Depois foi a vez do Professor Francisco Xavier, do Instituto Superior do Litoral do Paraná (ISULPAR), em Paranaguá, que apresentou dois temas de interesse dos presentes: o Projeto de Rede de água da Comunidade Santa Cruz, Paranaguá, que propõe soluções para o fornecimento de água da parte da Colônia Santa Cruz situada na planície, próxima à rodovia PR-508, que foi interrompido em 2011 em consequência dos deslizamentos de terra que afetaram a captação que abastecia aquela localidade; e o Projeto Alternativo de Saneamento da Ilha do Mel, apresentado como proposta a ser implantada nas comunidades rurais do entorno do Parque.

Vita encerrou o evento com palestra sobre a Serra da Prata

Vita encerrou o evento com palestra sobre a Serra da Prata

A palesta de encerramento coube ao Conselheiro Henrique Paulo Schmidlin, o “Vitamina”, ilustre montanhista paranaense e um dos que traçou, em 1966, o caminho atualmente usado para atingir o cume da Serra da Prata. “Vita” fez uma rica apresentação sobre aspectos históricos e curiosidades sobre a ocupação da região litorânea do Estado, tendo como pano de fundo a Serra da Prata.

No salão de reunião foram afixados posters com informações sobre alguns dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos no PNSHL pela equipe gestora, pesquisadores colaboradores e também por alunos da UFPR-Litoral.

PNSHL comemora 12 anos e realiza reunião do Conselho Consultivo

Na próxima quinta-feira, dia 23, o Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange completará 12 anos de criação e, para comemorar a ocasião com os conselheiros e colaboradores, a data foi escolhida para realizar a 14ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo.

Na pauta, além dos temas relacionados à gestão da área e funcionamento do Conselho, estão incluídas apresentações sobre temas variados e projetos desenvolvidos nas comunidades do entorno da Unidade de Conservação. Haverá também exposição de painéis sobre os projetos de pesquisa desenvolvidos no Parque.  A reunião é aberta à população e acontecerá na UFPR-Litoral, localizada na rua Jaguariaiva n° 512, em Caiobá, Matinhos.

Os trabalhos do Conselho começarão às nove horas e o ciclo de palestras tem início previsto a partir das onze horas. Confira a programação:

  1. Abertura dos trabalhos.
  2. Leitura e aprovação das Atas do Conselho Consultivo do PNSHL relativas à 13ª Reunião Ordinária e à 4ª Reunião Extraordinária.
  3. Informes e demandas dos Conselheiros – Institucionais e Comunitários.
  4. Plano de Ação do Conselho Biênio 2012-2013
    • Informes dos Coordenadores das Câmaras Técnicas e dos Responsáveis pelas ações previstas no Plano de Ação;
    • Gestão do PNSHL – Avaliação das metas cumpridas no ano 2012 e apresentação da proposta de metas para 2013.
    • Apresentações:
      • Professor Francisco Xavier – ISULPAR – Projeto de Rede d’água da Comunidade Santa Cruz, Paranaguá e Projeto Alternativo de Saneamento – Ilha do Mel.
      • Motirõ – Projeto SAL – Sistema Agroalimentar Localizado – Projeto desenvolvido com agricultores familiares no entorno do PNSHL.
      • Leoclides – EMATER – Programa de Gestão de Águas, Solos e Biodiversidade em Microbacias Hidrográficas – Plano de Ação da Microbacia Rio das Pombas
      • Carlos Eduardo – EMBRAPA Florestas – “Transição Agroecológica para o Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange”
      • Henrique Paulo Schimidlin (Vitamina) – Federação Paranaense de Montanhismo – Montanhas da Serra da Prata, aspectos físicos, históricos e culturais.

Equipes da Polícia Federal e do ICMBio investigam denúncia de caça no entorno do PNSHL

No final da tarde de sexta-feira (17), agentes da Delegacia de Polícia Federal em Paranaguá e fiscais do ICMBio cumpriram um mandado de busca e apreensão em uma propriedade localizada na zona rural, no entorno do Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange (PNSHL).

Espingarda, munição e amostras de carne foram apreendidos. Foto: Arquivo PNSHL

Espingarda, munição e amostras de carne foram apreendidos. Foto: Arquivo PNSHL

O motivo da ação foi o recolhimento de provas para investigar denúncias de caça e, por tratar-se de residência, foi expedido um mandado judicial. Foram encontrados indícios da prática de caça: arma, diferentes tipos de munição e milho seco, comumente usado para atrair (cevar) os animais, além de pedaços de carne.  Foi apreendida uma espingarda de ar comprimido, chumbinho e cartuchos de munição correspondente a outra arma, que não foi localizada. Em um freezer na parte externa da casa, as equipes encontraram restos de carne que não puderam ser caracterizados como provenientes de animais domésticos. O material também foi apreendido e encaminhado para análise de especialistas que buscarão identificar a espécie, inclusive com análise de material genético (DNA), se necessário. O responsável não se encontrava no local e será intimado a prestar esclarecimentos. A ação policial foi realizada na presença de testemunhas.

Pesquisas no PNSHL revelam dados inéditos sobre os pequenos mamíferos da região subtropical da Mata Atlântica

Roedor do gênero Akodon recebeu marcação em projeto de pesquisa no Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange. Foto: Cassio Mochi Junior

Roedor do gênero Akodon recebeu marcação em projeto de pesquisa no Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange. Foto: Cassio Mochi Junior

Texto: Cássio Marcelo Mochi Júnior e Liliani Tiepolo

Os pequenos mamíferos não-voadores (roedores e marsupiais) são importantes constituintes da fauna. São ótimos dispersores de sementes e indicadores do estado de conservação de ambientes, exercendo inúmeras funções ecológicas. Uma das maneiras de estudá-los é por meio de métodos de captura, utilizando-se de armadilhas de diferentes tipos e tamanhos.

Roedor capturado em armadilha usada na pesquisa. Foto: Péricles A. Santos

Roedor capturado em armadilha usada na pesquisa. Foto: Péricles A. Santos

Devido a grande riqueza de espécies, são animais de difícil identificação e por isso o conhecimento sobre esta importante fauna é ainda insuficiente em todo o Brasil. Isto se reflete no prognóstico que se faz das espécies em relação ao seu estado de conservação e aos diferentes impactos que sofrem suas populações e comunidades devido às alterações, mesmo que mínimas, nas paisagens e nos ecossistemas.  Este é o caso da Mata Atlântica, um dos biomas mais ricos e biodiversos do planeta e que atualmente se caracteriza pela grande alteração que sofreu em séculos de exploração, degradação e fragmentação dos seus habitats.

Apesar do acúmulo de pesquisas sobre os pequenos mamíferos observado nas duas últimas décadas na América do Sul, informações sobre estes grupos na área de ocorrência da Mata Atlântica Subtropical continuam escassas e pontuais. Visando suprir esta lacuna do conhecimento o projeto de pesquisa intitulado “Composição taxonômica da fauna de pequenos mamíferos não-voadores em diferentes ambientes da Mata Atlântica Costeira do Paraná” de autoria do biólogo e estudante do Curso de  Mestrado em Zoologia, Cássio Marcelo Mochi Junior, orientado pela Dra. Liliani Tiepolo, professora do Setor Litoral e do Programa de Pós-graduação em Zoologia da Universidade Federal do Paraná, e co-orientado pela Dra. Íris Hass, do Departamento de Genética da UFPR, está sendo desenvolvido no Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, no litoral sul do Paraná.

A marcação dos animais é feita com um brinco metálico. Foto: Liliani Tiepolo

A marcação dos animais é feita com um brinco metálico. Foto: Liliani Tiepolo

Até o momento foram realizadas 4 fases de campo, onde foram capturados 163 exemplares, sendo que 90 foram marcados com brincos e soltos para estudos populacionais. Alguns foram coletados para investigações citogenéticas e morfológicas que são realizadas nos Laboratórios de Biodiversidade e Conservação e Laboratório de Citogenética Animal da UFPR. Até o momento já foram identificadas 15 espécies de roedores e marsupiais em altitudes que variaram entre 32 e 160 metros, riqueza considerada alta pelo esforço amostral até o momento empreendido. Destacam-se novas ocorrências de espécies para o litoral, novos limites de distribuição para espécies que só eram conhecidas até a região de Guaraqueçaba, no litoral norte do Paraná e novos casos de simpatrias entre as espécies. A pesquisa será concluída em fevereiro de 2014 e seus resultados vão integrar o plano de manejo da Unidade de Conservação, em execução.

A escolha deste parque se deu devido à completa ausência de informações sobre pequenos mamíferos na Serra da Prata, quase integralmente incorporada nos limites do parque; por ser uma unidade de conservação que possui gestão ambiental atuante; por contemplar diversas fitofisionomias da floresta ombrófila densa; e por contar com uma equipe de apoio tanto do parque nacional, quanto de estudantes da UFPR (dos cursos de Gestão Ambiental e Mestrado em Zoologia) e da UNESPAR (Curso de Biologia). Os gestores do parque oferecem apoio logístico e disponibilizam analistas ambientais e voluntários, sem os quais o trabalho seria inviável.

Parte da equipe de pesquisadores e Analista Ambiental do PNSHL durante uma das etapas de campo. Foto: Péricles A. dos Santos

Parque Saint-Hilaire participa da 2ª Festa da Juçara

Palestrantes da mesa redonda “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara” - Foto: Rodrigo F. Torres

Palestrantes da mesa redonda “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara” – Foto: Rodrigo F. Torres

O Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange (PNSHL-ICMBio), representado pelo analista ambiental José Otávio Cardoso Consoni, participou hoje da Mesa Redonda: “Desafios e Perspectivas para o Uso do Fruto da Juçara”, dentro da programação da Festa da Juçara, em Matinhos.

Esta é a segunda edição do evento, que está acontecendo nas dependências da UFPR Litoral, de hoje até domingo (dia 5 de maio). O objetivo da Festa é difundir o uso do fruto da palmeira juçara como uma alternativa sustentável de utilização dessa palmeira, que sofre com o corte ilegal no litoral do Paraná para extração do palmito.

Na sua apresentação, Consoni expôs a situação atual da legislação que regula o uso do palmito e dos frutos da juçara. O pesquisador da Embrapa e Conselheiro do PNSHL, Carlos Eduardo Seoane, falou sobre como o aumento da fragmentação dos remanescentes da floresta atlântica acarreta na diminuição do número de plântulas de juçara e da sua qualidade genética, propondo a “juçara agroecológica” como um modelo sustentável de cultivo. Já o Sr. Gabriel, presidente da Associação de Pequenos Produtores Rurais e Artesanais de Antonina (ASPRAN), da Comunidade Cachoeira, relatou o histórico da produção da polpa de juçara pela Associação, contou como anda sua comercialização atualmente e sobre a grande procura que o produto vem tendo, especialmente por compradores da capital.

Ao longo do evento, creme de polpa da juçara foi servida aos participantes - Foto: Rodrigo F. Torres

Ao longo do evento, creme de polpa da juçara foi servida aos participantes – Foto: Rodrigo F. Torres

Francisco Paulo Chaimsohn, agrônomo do IAPAR, argumentou sobre o grande potencial da polpa dos frutos da juçara e suas propriedades nutricionais, afirmando que os produtores do litoral deveriam se apropriar da técnica de produção e aproveitar a grande facilidade de escoamento que existe na região – quando comparado com a situação que existe no estado do Pará, um grande produtor de polpa de açaí.

A mesa redonda foi uma grande oportunidade não só para a difusão de informações atualizadas, mas para discussões e reflexões sobre novos rumos em direção a uma cultura de uso mais sustentável da palmeira juçara.