Conselho do Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange realiza 9ª reunião ordinária e comemora os 10 anos de criação da UC

O Conselho Consultivo do Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange realizou no dia 24, sua 9ª reunião ordinária e primeira de 2011. A pauta foi extensa e incluiu assuntos de grande importância para a região, o Parque e o Conselho, além da comemoração dos 10 anos de criação da UC, completados em 23 de maio. O evento contou com a presença do Coordenador Regional, Ricardo Castelli Vieira, e da colega Laci Santin, que coordena as atividades de educação ambiental da CR-9. Castelli fez uma breve apresentação sobre o ICMBio e as atribuições da Coordenação Regional.

Pela manhã, boa parte do tempo foi destinada às apresentações sobre os efeitos das enchentes e deslizamentos de terras, ocorridos no mês de março, que atingiram o Parque e as comunidades vizinhas. O Secretário Municipal de Defesa Social de Paranaguá, Paulo Emmanuel do Nascimento Júnior, fez um breve histórico sobre as ocorrências do dia 11 de março, pior dia de enchentes e quando se iniciaram os deslizamentos, e as consequências dos eventos no município, com destaque para a destruição das captações de água e dos acessos na zona rural. Em seguida, foi a vez do Analista Ambiental do Parque, José Otávio Consoni, geólogo de formação, mostrar a situação da UC e comentar sobre as características geológicas e geomorfológicas que, combinadas à altíssima pluviosidade registrada no dia, contribuíram para a ocorrência de fenômenos de tal magnitude.

Nanci fala dos problemas da comunidade

Outros membros do Conselho também deram seu depoimento em relação à questão: a representante da comunidade do Morro Alto, Sra. Nanci, expôs as dificuldades que mais de noventa famílias da região anda enfrentam com relação às vias de acesso e ao abastecimento de água desde o mês de março; Leandro, representante da Federação Paranaense de Montanhismo, acrescentou informações sobre outras regiões afetadas no município de Morretes; e Célia Rocha, que representa o Instituto Ambiental do Paraná, descreveu os impactos das enchentesem Guaratuba. As apresentações iniciaram um debate sobre os problemas enfrentados pelas administrações municipais no caso de um acidente de grandes proporções, bem como a falta de articulação interinstitucional nas diferentes esferas de governo, situações que refletem diretamente no atendimento às comunidades. Algumas propostas foram apresentadas no âmbito de ação do colegiado, sendo aprovado o envio de um documento da presidência do Conselho ao Ministério Público Estadual, que atualmente coordena as ações dos diversos órgãos na área afetada, e a formação de uma Câmara Técnica conjunta com grupo afim no Conselho Gestor da APA Estadual de Guaratuba para estabelecer diretrizes de trabalho na região.

Apresentação do Projeto Panthera

Após o almoço, os participantes receberam informações sobre quatro diferentes projetos que envolvem a região do Parque: as biólogas do Projeto Panthera, vinculado ao Instituto Pró-carnívoros, Miriam e Érica, apresentaram o trabalho que vem sendo desenvolvido na região voltado para a coleta de informações, por meio de entrevistas, sobre a ocorrência da onça pintada. O documentarista Fernando Lara, da Fauna & Flora Documentários, mostrou o projeto Rotas Verdes Brasil, que percorrerá trinta áreas protegidas em todo país, captando imagens para produção de um livro digital. O Parque Nacional de Saint-Hilaire/Lange é a quarta Unidade de Conservação visitada pelo projeto e o jornalista permanecerá na região por mais cinco dias documentando o Parque e a região de entorno, devidamente autorizado pelo ICMBio. O terceiro projeto apresentado relaciona-se à capacitação do Conselho, desenvolvido pela ONG Mater Natura, parceira do Parque em trabalhos anteriores. Intitulado “Gerenciamento Integrado de Unidades de Conservação da Mata Atlântica: A Capacitaçãoem Gestão Participativacomo uma Estratégia de Conservação”, que propõe a realização de quatro cursos, três deles disponibilizando vagas para conselheiros, com os temas: Planos de Manejo, Conselho Gestor e Atividades Sustentáveis. Para encerrar a exposição de projetos a Professora Márcia Marzagão, do curso de Agroecologia da UFPR-Litoral, apresentou o trabalho que está sendo proposto para pequenos produtores rurais do entorno do Parque e que incentiva a produção orgânica e a adequação ambiental. Todos os projetos foram muito bem recebidos pelos presentes, que contribuíram com informações e sugestões.

A pauta ainda incluiu a necessidade de adequação do Regimento Interno do Conselho à IN n° 11/2010, tema que foi abordado pelo colega José Otávio Consoni, e a discussão da proposta de capacitação sobre Plano de Manejo, organizada pela equipe da UC e que foi aprovada na chamada de projetos de Educação Ambiental e Capacitação Externa da DIUSP. Ao final dos trabalhos, os participantes optaram por realizar a capacitação em três etapas, com início no mês de agosto.

A Sanepar – Companhia de Saneamento do Paraná ofereceu um coffe-break especial, em comemoração do aniversário da UC

Conselho Consultivo realiza 9ª Reunião Ordinária e comemora os 10 anos de criação do Parque

O Conselho Consultivo do PN Saint-Hilaire/Lange realiza hoje, dia 24, sua primeira reunião ordinária de 2011, com uma pauta especial em comemoração ao 10° aniversário de criação da Unidade de Conservação. No período da manhã, além dos itens rotineiros de pauta, ocorrerá a apresentação de projetos que estão sendo desenvolvidos por diferentes instituições na região do Parque, voltados para capacitação dos conselheiros, agroecologia em comunidades do entorno, identificação de áreas de ocorrência da onça pintada e produção de um livro eletrônico sobre diversas Unidades de Conservação do país. A situação do Parque e das comunidades vizinhas, após os deslizamentos de terra e enchentes que atingiram o litoral paranaense em março, também será tema de apresentações que serão feitas pelos representantes dos municípios e pela equipe do Parque.

No início da tarde, o Coordenador Regional do ICMBio, Ricardo Castelli Vieira, conversará sobre a estrutura e as diretrizes de planejamento do Instituto. Em seguida, os participantes discutirão a proposta de capacitação sobre Plano de Manejo, que será realizada nos meses seguintes e tem por objetivo permitir que todos os conselheiros entendam o processo de elaboração do Plano e participem efetivamente de sua construção.

A reunião é aberta a todos os interessados, e acontecerá a partir das nove horas na Sala do Conselho da UFPR Litoral, locaizada na rua Jaguariaíva, 512 – Caiobá, Matinhos.

A Marca

“O ser humano, diante da natureza, torna-se parte da mesma.”

Este é o conceito do Parque traduzido pela sua logomarca, escolhida em 2004 por meio de um concurso realizado entre alunos do 5° período do Curso Superior de Tecnologia em Artes Gráficas do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (CEFET-PR). A Comissão julgadora, formada pela equipe da Unidade de Conservação e por professores da área de Artes Visuais, escolheu o projeto elaborado por José Ricardo Hurmus e Bruna Jorge, que receberam como prêmio uma viagem ao Parque Nacional do Iguaçu, com direito ao passeio Macuco Safari e sobrevôo de helicóptero.

Para desenvolver o projeto, a equipe vencedora interpretou os dados coletados por meio de entrevistas e analisou marcas existentes sobre o mesmo tema, desenvolvendo a proposta nas cores verde, laranja e preto.

O verde está relacionado à natureza, esperança e tranquilidade e foi utilizado em dois tons: o mais claro apresenta maior luminosidade, estando relacionado à luz do amarelo, a cor preferida dos entrevistados; enquanto o tom escuro transmite a tranquilidade e a pureza do azul, a segunda cor mais votada. Em contraposição, o laranja dá energia à logomarca.

As formas remetem ao contorno das folhas, que foram colocadas em diferentes tamanhos simbolizando o crescimento das plantas. As linhas orgânicas dispostas na horizontal e na diagonal tranquilizam a composição e lembram o contorno de morros e dos rios que descem a serra, ambos elementos marcantes na paisagem do Parque.

Os autores relacionaram a primeira folha à fase inicial do ciclo de vida de uma planta: a semente. Após três transformações está a última folha, que assume a forma de um fruto, responsável por iniciar um novo ciclo. O círculo laranja na última folha está relacionado ao sol, fonte de energia para as plantas e principal agente do ciclo.

O logotipo é composto por três nomes: Parque Nacional, que indica a área de atuação, Saint-Hilaire/Lange, a denominação da Unidade de Conservação, e Serra da Prata, que indica sua localização. O nome do Parque, foi destacado pelo uso de letras em tamanho maior e mais escuras que os outros componentes do texto.

O ser humano também está presente na logomarca: a folha menor do símbolo representa um olho fechado, que se transforma em um olho estilizado, aberto, simbolizando o olhar humano.

Desta forma, com poucos elementos que representam a natureza, os autores descreveram o ciclo seguido por ela, sem esquecer da presença humana.